MVUH3J2T.gif (25885 bytes)

Clique aqui para fechar esta janela                                                                                         Voltar a página anterior

ESTUDO DA FÍSICA

O SEU SITE DE ESTUDO NA NET

ROBERT ANDREWS MILLIKAN

FÍSICO E NORTE-AMERICANO (1868-1953)   

Depois de graduar-se em Física nos Estados Unidos, Robert Andrews Millikan aperfeiçoou-se na Alemanha. Ao retornar, tornou-se professor da Universidade de Chicago.

A partir de 1906, iniciou pesquisas para determinar a quantidade de carga elétrica presente num elétron. Para tanto, analisou o comportamento que as gotículas de água com carga elétrica manifestavam quando submetidas a duas influências simultâneas: a da gravidade e a de forças magnéticas. (Como a água evaporasse rapidamente, substituiu-a, em 1911, por óleo.) A medida que adquiriam mais carga, as gotículas sofriam variações em seu movimento de queda, chegando a deter-se ou até a elevar-se. Medindo cuidadosamente a quantidade de carga que provocava a menor alteração possível, Millikan concluiu ser ela exatamente a carga de um elétron. De fato, constatou que todos os demais valores de carga que se podiam adicionar à gotícula eram múltiplos daquele valor unitário.

Esse trabalho foi o último estudo necessário para provar definitivamente que a eletricidade possuía natureza corpuscular, e valeu a Millikan o Prêmio Nobel de Física de 1923.

Em outros trabalhos experimentais, MiIIikan demonstrou serem verdadeiras as equações deduzidas teoricamente por Einstein para explicar o efeito fotoelétrico. O valor da constante de Planck também foi por ele determinado experimentalmente, confirmando o previsto pelos cálculos teóricos. A partir de 1921, passou a trabalhar no Caltech (Instituto de Tecnologia da Califórnia), onde estudou os raios cósmicos (nome que também ele criou). Em sua opinião, eles eram uma forma de radiação eletromagnética, semelhante aos raios gama, porém mais intensos. Outros pesquisadores mostrariam, mais tarde, que eles possuíam natureza corpuscular.

Millikan dizia não ver qualquer conflito entre ciência e religião, e era seu desejo conseguir estabelecer elos entre esses dois campos.

 BIBLIOGRAFIA

 CHIQUETTO, Marcos; VALENTIM, Bárbara; PAGLIARI, Estéfano; Aprendendo Física; Editora Scipione; São Paulo; 1996