Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Grupo com alunos da UFBA vence competição internacional de inovação promovida pela Nasa

 
 
Projeto superou 2.076 outros dos quatro cantos do mundo

 

Um projeto elaborado por três estudantes da UFBA e dois estudantes da Universidade Católica do Salvador (Ucsal) ficou entre os seis vencedores da maior competição de inovação em programação computacional do mundo, o hackhaton Nasa Space Apps Challenge 2019, promovido pela agência espacial norte-americana.

O projeto – um dispositivo a ser instalado em cascos de navios a fim de remover boa parte da sujeira dos oceanos – é de autoria coletiva do grupo “Cafeína”, formado pelos estudantes do curso de administração da UFBA Antonio Rocha, de 18 anos, Pedro Dantas, 19, e Genilson Brito, 18, e pelos alunos da Ucsal Ramon de Almeida, 22, de engenharia química, e Thiago Barbosa, 23, análise de desenvolvimento de sistemas. O grupo venceu, primeiro, a etapa local, realizada em outubro de 2019 (leia a matéria publicada no Edgardigital) e, em seguida, foi selecionado como uma das 30 melhores ideias do mundo. Agora, eles irão visitar a sede da Nasa nos Estados Unidos para apresentar o projeto, que poderá ser desenvolvido com apoio da agência norte-americana.

“É muito gratificante para a equipe ver nossa ideia, que ajudará o planeta, sendo desenvolvida e tornando do mundo um lugar melhor”, disse Genilson Brito. Para ele, é uma honra vencer o mundial: “só prova que as pessoas do nosso meio são muito boas e criativas e que só é preciso dar a elas oportunidade e incentivo para esses talentos aparecerem e brilharem”.

A formação da base da equipe e o incentivo para participarem da competição surgiu durante a disciplina Informática Aplicada à Administração, ministrada pela professora Isabel Sartori, da Escola de Administração da UFBA (Eaufba). A convite da professora, uma palestra da representante oficial do Nasa Space na Bahia, Leka Hattori, diretora na Bahia do Founder Institute (maior aceleradora de startups do Vale do Silício), apresentou a competição aos estudantes (confira o momento em Leka Hattori anuncia a equipe cafeína como vencedora da etapa local da competição da Nasa, no instagram de Hattori).

“Encaro o resultado como um fruto da política de renovação da Escola de Administração da UFBA, que completa 60 anos, um projeto coletivo de empreendedorismo e inovação com foco nos alunos, voltado para a sociedade e articulado com ações de ensino, pesquisa e extensão. Um incentivo para que continuemos empreendendo a diversidade na adversidade”, diz Sartori, que também coordena o núcleo de extensão da Eaufba. Ela parabeniza os estudantes “pela dedicação, projeto, prêmio e, principalmente, pelos ideais de melhoria do nosso planeta”.

O diretor da Escola de Administração (Eaufba), Horácio Hastenreiter Filho, também celebrou a vitória dos jovens. “É um feito digno de nota, por conta do que representam a competição e a Nasa.” Para ele, a conquista evidencia umas das grandes forças da universidade, que é a integração entre diferentes áreas do conhecimento. “Quando a gente aproxima alunos de administração com estudantes de engenharia e ciência da computação, vemos essa diferença, não só de conhecimento, mas de culturas, interagindo para problematizar e achar uma solução conjunta. Isso faz toda diferença”, avalia.

O projeto premiado chama-se Ocean Ride (“carona pelo oceano”, em tradução livre) e superou outros 2.076 concorrentes de 230 cidades e 83 países diferentes, integrando o seleto grupo de seis ideias premiadas. A ideia é baseada em um dispositivo acoplado a navios cargueiros para fazer uma espécie de varredura nos oceanos e coletar um dos principais vilões da natureza, os microplásticos – partículas de dimensões inferiores a cinco milímetros resultantes da degradação de plásticos maiores, que afetam a vida marítima e, consequentemente, a saúde humana.
 
O equipamento, que ainda é uma ideia, inspira-se no Gerador de Van Der Graff, uma máquina eletrostática criada em 1929. No projeto do grupo Cafeína, esse gerador ganharia a função de atrair e recolher os resíduos plásticos próximos aos navios. O lixo marítimo coletado iria para terra firme, onde seria descartado de modo apropriado, tornando-se, assim, menos danoso ao meio ambiente.