Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Ufal alcança pela primeira vez a nota 4 no Índice Geral de Cursos

O IGC é uma avaliação anual do Ministério da Educação com escala de 1 a 5
Por: Lenilda Luna - jornalista

A Universidade Federal de Alagoas, com muito empenho das equipes da gestão central e das unidades acadêmicas, só tem melhorado as avaliações oficiais do Ministério da Educação (MEC) e de outros rankings nacionais e internacionais. Agora, mais uma conquista inédita foi divulgada: pela primeira vez a Ufal alcança o IGC 4. O Índice Geral de Cursos é um indicador de qualidade da Educação Superior, calculado anualmente, numa escala de 1 a 5.

A avaliação feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação, leva em conta os seguintes fatores: a média do Conceito Preliminar de Curso (CPC) dos últimos três anos; a média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu atribuídos pela Capes; a distribuição dos estudantes entre os diferentes níveis de ensino, graduação ou pós-graduação stricto sensu.

A procuradora da Procuradoria Educacional Institucional (PEI), Jusciney Carvalho, destaca que os resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), realizados em 2018, somaram para essa melhoria no índice geral.  “A Ufal finalmente conquistou o conceito 4 no IGC, que se mantinha na nota 3 desde o primeiro ano de implantação desse conceito, em 2007. Além dessa elevação no IGC, a instituição também comemora o saldo positivo com a divulgação das notas satisfatórias dos Conceitos Preliminares de Cursos (CPCs) participantes desse ciclo”, destacou a procuradora.

Veja mais sobre o assunto.

Jusciney Carvalho ressalta que esse aumento de IGC já era esperado, pelo desempenho do trabalho que vinha sendo desenvolvido. “Ao longo da Gestão Outra Ufal, além dos dois recredenciamentos [presencial e a distância], 33 avaliações in loco foram realizadas e todos os processos indicavam uma tendência de melhoria na qualidade acadêmica. Então, a cada nova edição do Enade, mais atenção foi garantida aos cursos nos diferentes campi da Ufal”, explica Jusciney.

A procuradora destaca o esforço coletivo para melhorar a qualidade dos cursos. “O IGC 4 reflete a elevação dos conceitos dos cursos e é fruto do trabalho comprometido feito pela gestão central, conduzida pela reitora Valéria Correia e pelas equipes dos cursos de graduação. O Enade avalia não somente o desempenho discente, mas também o corpo docente e as condições de oferta dos cursos e a infraestrutura institucional. Os bons resultados evidenciam que realizamos um trabalho de excelência. Estamos todos de parabéns!”, comemora.

Melhoria da qualidade

Em 2018, a Universidade passou pelo processo de recredenciamento, alcançando o conceito 4. Esse ano, a Ufal entrou em dois importantes rankings internacionais, da Times Higher Education e da QS World University Rankings, além de ser apontada pelo MEC como a Universidade que mais reduziu a evasão nos cursos de graduação.

Nesse contexto de melhoria da qualidade, o aumento na média do IGC foi bastante comemorado pela comunidade universitária. “Muito orgulho ser parte dessa história nessa gestão que se encerra.  Estamos entregando a Ufal, em quatro anos de duros ataques e arrocho orçamentário, com IGC 4”, destacou Tiago Cruz, assessor do gabinete reitoral, que foi o procurador estudantil institucional no início da gestão.

A reitora Valéria Correia parabenizou o trabalho realizado pela PEI nos últimos quatro anos. “Ao longo deste período, 96% dos cursos avaliados tiveram conceitos muito bons. Isso se deve ao trabalho capitaneado primeiro por Tiago e depois por Jusciney, mas também pela participação fundamental dos pró-reitores, diretores de unidades acadêmicas, coordenadores de cursos e comunidade acadêmica em geral”, reconheceu a reitora.

As outras conquistas da Universidade também foram pontuadas por Valéria. “Somos a Universidade brasileira que mais reduziu a evasão escolar, por uma série de ações que envolveram desde as possibilidades de reintegração e finalização do curso até o trabalho de acolhimento e acompanhamento dos estudantes com deficiência, feito pelo Núcleo de Acessibilidade (NAC) e outras formas de garantir o bom desempenho dos nossos graduandos. Tivemos uma melhoria da qualidade expressa nas avaliações e nos rankings. Mesmo enfrentando situações adversas, de cortes orçamentários e ataques à autonomia universitária, vamos finalizar nossa gestão deixando a Ufal em melhores condições do que encontramos”, finalizou Valéria Correia.